MONTANHAS IBÉRICAS

Neste Blog partilho com os leitores a minha paixão pelas Montanhas Ibéricas, lugares únicos, cada vez mais raros, onde a beleza das paisagens, a preservação dos ecossistemas e a utilização sustentável pelo homem se unem de uma forma harmoniosa e equilibrada.

05 fevereiro 2007

ALGUNS ASPECTOS SOBRE A BIOLOGIA DA MARTA

Publicada por Paulo Almeida Santos


A Marta (martes martes) é um mamífero carnívoro de porte médio pertencente à família dos mustelídeos, escolhendo como habitat extensos bosques, quer de coníferas, quer bosques caducifólios maduros, estes com mais expressão na realidade peninsular. Como tal, trata-se de um animal bastante exigente no que ao ecossistema diz respeito, ocupando zonas com alto valor biológico, onde a disponibilidade de alimento, de refúgio e a ausência de pressão humana são requisitos fundamentais. Este aspecto, aliado aos hábitos essencialmente noctívagos e ao comportamento evasivo, faz com que a marta seja um dos mamíferos menos estudados e mais misteriosos da fauna ibérica.
No que à reprodução diz respeito, sabe-se que o cio da marta tem lugar entre os meses de Junho e Agosto, altura em que vários machos se juntam para disputar a fêmea. Posteriormente, o macho vencedor leva a cabo com a fêmea uma verdadeira parada nupcial, até haver fecundação, abandonando-a em seguida. A marta irá manter os espermatozóides do macho no útero durante alguns meses, só os fecundando durante o mês de Janeiro, aquilo que em biologia se designa por implantação retardada. A gestação tem uma duração de 9 semanas. O nascimento das crias ocorre entre Março e Maio, variando o seu número entre 2 e 4. As mesmas irão estar confinadas ao covil durante os primeiros 2 meses de vida, começando a sair progressivamente a partir desta data, até iniciarem, junto da mãe, as primeiras incursões pelo território em busca de alimento. Acompanharão a progenitora até ao verão seguinte, altura em que esta entrará novamente em cio.
O uso de câmaras fotográficas activadas por sensor de movimento tem-nos ajudado nos últimos anos, de forma não invasiva e com altos índices de sensibilidade/especificidade, a compreender melhor, quer a distribuição, quer alguns aspectos da biologia deste fantástico mamífero.
Durante o passado mês de Outubro, o controlo fotográfico realizado num carvalhal maduro no noroeste peninsular, documentou a presença simultânea de duas martas em frente às câmaras, um dado inédito até então. Embora haja autores que defendam a possibilidade da existência de um “falso cio” durante o Inverno, onde o macho e a fêmea podem interagir, estas imagens retratarão, com grande probabilidade, a progenitora acompanhada da sua jovem cria, iniciando mais uma noite de caçada, em busca, quem sabe, de um imprudente rato-dos-bosques por entre a folhagem caída…


A proximidade entre os dois indivíduos é evidente



Aparentemente existe uma diferença de porte entre as duas martas


Uma das martas coloca-se de patas para o ar , como que desafiando a outra!

5 comentários:

Joao Soares disse...

Olá,amigo Paulo Santos
Preparei um dossier especial sobre Montanhas.
Espero a tua visita (caminhada até ao monte Bioterra) e um comentario.
Parabens pelo teu trabalho.
Abraço
Joao

TPais disse...

Paulo, mais uma vez um "post" fantástico!É impressionante o que a técnologia pode ajudar na investigação destes temas tão pouco tecnológicos!!Obrigado por estas imagens cada vez mais dificeis de ver ao natural!

Anónimo disse...

adorava poder estudar estes mamiferos atraves de fotografia. era ideal conciliar duas enormes paixoes k tenho, a natureza e a fotografia

Geist disse...

Amigo, o seu blog é excelente. não pare de escrever. Vai ter um link no meu blog.

Cumprimentos

Anónimo disse...

Olá, gostei muito deste pequeno texto sobre a Marta, pois ando a fazer um trabalho para a escola e deu-me algum jeito.